Portuguese

POLÍTICA EXTERNA INOVADORA E HUMANITÁRIA DA TURQUIA
UMA SINOPSE


Em um momento de volatilidades e incertezas no cenário mundial, nossas políticas se adaptam a mudanças constantes e se esforçam para moldar a dinâmica que nos rodeia na busca da paz, prosperidade e estabilidade. Os seres humanos estão no centro de nossos esforços. Estamos vivendo em uma geografia frágil política e economicamente, numa época em que o mundo está passando por mudanças radicais. A Turquia segue uma política externa que não se abstém de tomar a iniciativa e, nas palavras de nosso Presidente, "reflete o espírito inovador e os valores humanitários de nossa nação". Essa é, como o nosso ministro chama, uma “política externa humanitária e inovadora”. Ela é guiada por nosso objetivo permanente de alcançar “Paz em Casa e Paz no Mundo”, conforme formulado pelo fundador de nossa República, Mustafa Kemal Atatürk.


A Turquia tem uma tradição profundamente enraizada de Estado e democracia, e extrai forças de sua localização geográfica central, sua profunda experiência histórica, sua população jovem e instruída, suas instituições fortes e sua economia dinâmica. A política externa turca emprega várias ferramentas de cooperação política, econômica, humanitária e cultural de forma complementar e realiza uma diplomacia que se baseia em uma percepção global, mas também atua localmente em todos os cantos do mundo.


Com um total de 245 missões diplomáticas e consulares, a Turquia gerou a quinta maior rede diplomática do mundo.


A Turquia, membro da OTAN e do G20 e candidata à adesão à União Europeia, desenvolveu uma extensa rede de cooperação, incluindo conselhos de alto nível de cooperação com 25 países, formações trilaterais ou outras formações regionais multilaterais, além de vinte acordos de livre comércio. A Turquia mantém laços estreitos com os países dos Balcãs, Oriente Médio e Norte da África, Sul do Cáucaso e Ásia do Sul e Central. Em um mundo em que a tecnologia reduz distâncias, a Turquia está aprofundando sua Política de Parceria Africana e expandindo o escopo de suas políticas para a América Latina, o Caribe e a Ásia-Pacífico.

A Turquia visa fortalecer suas atuais relações estratégicas e estabelecer novas. Possui uma parceria estratégica com os EUA, com quem também mantém uma aliança dentro da OTAN, e acredita que o vínculo transatlântico é vital para a segurança e a prosperidade européias. Como membro ativo da OTAN e um dos cinco principais contribuidores para suas missões, a Turquia fez importantes contribuições à Aliança do Atlântico Norte e seu princípio fundamental de "indivisibilidade da segurança".


A Turquia também está totalmente comprometida com o processo de adesão à União Europeia, sublinhando que a sua adesão beneficiaria a UE e a Turquia. A Turquia está contribuindo ativamente nos esforços para enfrentar vários desafios que também afetam a Europa. A Turquia faz parte da Europa e é membro de quase todas as instituições europeias, incluindo, entre muitas outras organizações, o Conselho da Europa e a Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), sendo membro fundador de ambas.

Em todo o mundo, o terrorismo e várias formas de extremismo atingiram uma intensidade alarmante. Grupos terroristas ameaçam a paz e a segurança internacionais. O terrorismo é um crime contra a humanidade que não pode ser associado a nenhuma raça, etnia, fé ou geografia. É um flagelo global que exige uma resposta e solidariedade globais. A Turquia tem combatido ativamente o terrorismo de qualquer organização e sob qualquer pretexto.


A resolução de desafios globais depende dos esforços coletivos forjados por cooperação e multilateralismo efetivo. Essa realidade guia a diplomacia ativa da Turquia em fóruns multilaterais. A Turquia também é um membro ativo do G20 desde o seu início e assumiu a presidência 2015. No G20, a Turquia promoveu o vínculo entre as dimensões humanitária e de desenvolvimento, além de crescimento econômico inclusivo e distribuição eqüitativa. A Turquia participou do Conselho de Segurança das Nações Unidas durante o período 2009-2010, contribuindo de forma construtiva para a paz, estabilidade e segurança mundial. Sob o lema "O mundo é maior que os Cinco", cunhado pelo presidente Recep Tayyip Erdoğan, a Turquia defende a reforma das Nações Unidas e do Conselho de Segurança da ONU para atender às necessidades atuais do mundo.

A Turquia desempenha um papel de liderança na mediação, sendo o único país a co-presidir grupos de amigos de mediação nas Nações Unidas, na OSCE e na Organização para Cooperação Islâmica (OIC). Além disso, a Turquia organiza anualmente as Conferências de Mediação de Istambul para contribuir com o trabalho conceitual sobre mediação e o "Programa de Certificado de Mediação para a Paz", a fim de desenvolver capacidades nesse campo.


A humanidade sofre os mais diversos flagelos, incluindo terrorismo, ódio étnico ou religioso, discriminação, extremismo, xenofobia, tendências anti-islâmicas, enquanto outras formas de exclusão também são motivo de preocupação. Ao abordar essas ameaças generalizadas, a Turquia destaca a necessidade de transparência, diversidade, diálogo e políticas inclusivas. Os conflitos envolvem grandes custos para a humanidade. Com essa mentalidade, a Turquia assumiu um papel de liderança nos esforços para promover o respeito mútuo e valores comuns entre diferentes culturas e religiões. A iniciativa da Aliança das Civilizações da ONU, co-patrocinada pela Turquia e Espanha, representa uma resposta sólida aos cenários baseados no chamado choque de civilizações.
Apoiando a apropriação e a solução regionais para problemas regionais, a Turquia é membro fundador de várias organizações e iniciativas regionais, como a Organização para Cooperação Econômica do Mar Negro, o Processo de Cooperação do Sudeste da Europa e a Organização para Cooperação Econômica. Além disso, a Turquia liderou a plataforma "Coração da Ásia: Processo de Istambul" para cooperação regional em apoio a um Afeganistão estável.


A Turquia é um membro proeminente da OIC, dos Oito no Desenvolvimento (D-8), do Conselho de Cooperação dos Estados de Língua Turca (Conselho da Turquia) e do MIKTA, entre outros. Atualmente, co-presidente do "Coração da Ásia: Processo de Istambul" e a atual presidência da Assembléia dos Parlamentos da Ásia, da Assembléia Parlamentar da União para o Mediterrâneo, do D-8 e do Diálogo para Cooperação na Ásia.


A tradição estatal da Turquia, centrada no ser humano, nos obriga a trabalhar também com um espírito inovador na dimensão humanitária de sua política externa. Com oito mil e seiscentos milhões de dólares em ajuda humanitária em 2018, a Turquia é o maior doador humanitário do mundo e o país mais generoso em termos de gastos humanitários per capita. Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, a Turquia é o país do mundo que acolhe o maior número de pessoas deslocadas no exterior. Abriga cerca de quatro milhões de pessoas deslocadas externamente, das quais 3,6 milhões são sírias, que tiveram que fugir da destruição de seu país de origem. A Turquia dedicou cerca de quarenta bilhões de dólares para fornecer ajuda e serviços aos sírios. Além disso, a primeira Cúpula Humanitária Mundial foi realizada em Istambul em 2016.


Como país de trânsito de energia, a localização central da Turquia desempenha um papel vital na segurança energética europeia e global.


No ano de 2023, a República da Turquia celebrará orgulhosamente seu centenário. Atingir as sólidas metas estabelecidas pelo nosso governo presidencial não apenas aumentará os níveis de paz e prosperidade no país, mas também fortalecerá as contribuições da Turquia para sua própria vizinhança e além. Nosso principal objetivo é garantir que nossa região siga uma agenda sólida de desenvolvimento sustentável e paz, ao invés perpetuamente combater a fragilidade e o conflito. A política externa inovadora e humanitária da Turquia continuará protegendo seus interesses nacionais e, ao mesmo tempo, contribuindo para os objetivos comuns da humanidade.